Stellaris

Depois de um breve vazamento, a Paradox finalmente decidiu anunciar oficialmente que o próximo DLC de Stellaris se chamará “First Contact” e girará em torno de novas histórias com civilizações que ainda não possuem tecnologia interplanetária. Nenhuma data foi dada para ele, mas a desenvolvedora mencionou que ele estará disponível em “breve”.

O pacote virá com três novas histórias-origem, sendo uma delas sua espécie sendo levada como prisioneiros para o espaço, se libertando e tomando uma nave para então prosseguir a encontrar um planeta habitável.

Mas o principal atrativo do pacote “First Contact” serão novas formas de interação com civilizações que não possuem espaçonaves sequer tecnologia para cria-las. Isso se dará em grande parte por meio de eventos, mas a desenvolvedora também promete mais “complexidade” no que diz respeito a observação deles ou a influência que você pode ter sob a evolução tecnológica dessas civilizações. Claro que, tudo pode ir por agua abaixo quando uma delas entrar em pânico ao descobrir que estão sendo observados por “alienígenas”.

Já no que diz respeito de mecânicas, Stellaris finalmente oferecerá a possibilidade de camuflar e tornar suas naves invisíveis. Isso será útil tanto na hora de “observar” essas civilizações como em ações militares.

Eu já esperava que Stellaris não fosse receber um DLC gigantesco tão cedo, então “First Contact” está bem dentro das minhas expectativas. Estou curioso mesmo para ver como a camuflagem de naves irá funcionar na prática.

Para mim o combate de Stellaris já tinha sido consideravelmente “limitado” com hyperlanes e o uso de chokepoints. Em teoria, naves invisíveis só ficarão visíveis pela instalação de postos de observação nos pontos cruciais do seu império. Me pergunto se haverá uma maneira de burlar isso e fazer um ataque surpresa no seu oponente e se a IA dará conta do recado.

Veja o trailer de anúncio e mais imagens abaixo:

Paradox anuncia “First Contact” para “Stellaris”

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.