Weird West

Quem te viu, quem te vê “Weird West”. Não imaginaria estar escrevendo sobre o “immersive sim” da WolfEye Studios, que foi lançado em março, no final de novembro. Mas, depois de uma montanha russa de atualizações que refinaram o game, a desenvolvedora aparentemente trouxe sua “cartada final” com a liberação de mods via o Mod.io. Um mod que permite o uso de uma câmera em primeira pessoa já foi publicado.

De acordo com o guia publicado pela própria WolfEye Studios, o potencial para mods de “Weird West” é impressionante. Embora seja um pouco mais complicado do que em outros jogos já que é necessário um conhecimento básico da Unreal Engine, você pode alterar qualquer parâmetro do jogo. Isto significa tornar o jogo mais difícil, mudar os inimigos, mudar o estilo dos inimigos de uma área e por aí vai.

Para quem leu o parágrafo acima e pensou “ah, a comunidade de mods não vai crescer por conta da dificuldade”, deixa só eu lembra-los que XCOM usa uma versão modificada da Unreal Engine 3 e há centenas de mods para ele. Como alguém que já usou a ferramenta de edição de XCOM, a de Weird West é muito mais amigável.

Agora, se os mods vão surgir ou não aí é outra história. Não creio que seja “tarde demais” para “Weird West”. Continuo dizendo que o jogo tem um potencial imenso e que há muito a ser explorado nele. Espero que a comunidade faça proveito disso.

Além disso, a decisão de usar o Mod.io foi ótima já que a plataforma permite quem comprou via GOG ou Epic Games Store também fazer proveito dos mods. O sistema é basicamente o mesmo do Steam Workshop, basta se cadastrar no site, “assinar” um mod e ele aparecerá no menu de “mods” de “Weird West”

A lista completa de correções está disponível no fórum do Steam. Minhas impressões sobre o modo em primeira pessoa infelizmente, vão ficar para outro dia. O vídeo abaixo dá uma boa noção do que esperar dos mods que já estão disponíveis:

“Weird West” recebe suporte a mods

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.