Warframe

Durante o Dev Stream 165 realizado nesta última sexta-feira (28), a Digital Extremes divulgou mais detalhes sobre o conteúdo que sairá ainda este ano para Warframe. O primeiro deles, “Echoes of the Veilbreaker” estará disponível a partir de 2 de novembro em todas as plataformas, incluindo PC.

Para quem está caindo de paraquedas ou não tem jogado Warframe, “Echoes of the Veilbreaker” finalmente trará grandes reajustes a alguns chefões do jogo, uma nova nave e uma repaginação das missões de Break Narmer. Estas missões – que normalmente estão em uma rotação semanal – agora terão seu progresso mantido ao invés de “reiniciarem” caso você perca uma delas. Além disso, novas variantes das missões “Prison Break” e “Junk Run” terão novos tipos de inimigos mais desafiadores.

A grande atualização que muitos esperam – “Lua’s Prey” – deve dar as caras no verão do hemisfério sul. Ela servirá como um prelúdio para a expansão “The Duviri Pradox”. “Lua’s Prey” pode não ter tanto “conteúdo” assim se comparado com o restante de Warframe já que irá adicionar apenas dois novos tipos de missões de sobrevivência. Entretanto, ela virá acompanhada de um novo Warframe – Voruna – que foi apresentado pela primeira vez durante a TennoConn 2022.

Considerando que a Digital Extremes já lançou dezenas de coisas para Warframe apenas em 2022, não me assusta que ela feche o ano sem nenhuma expansão bombástica. As últimas tentativas de introduzir mecânicas “gigantes” no fim do ano não deram certo e agora que a desenvolvedora está praticamente trabalhando em dois jogos separados, é provável que o tempo entre as atualizações gigantes comece a ficar ainda mais longo.

Eu devo confessar que estou há um bom tempo sem jogar Warframe, mas já prontamente o instalei para conferir as novidades (e reaprender 3000 mecânicas) antes que “Echoes of the Veilbreaker” seja lançado.

Se você está com uma hora livre, recomendo assistir o Dev Stream 165, abaixo:

Veja o que sairá para “Warframe” ainda em 2022

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.