Galactic Civilizations III

Anunciada em fevereiro deste ano, a expansão para o game de estratégia 4X Galactic Civilizations III, intitulada Crusaders, teve mais detalhes detalhes divulgadosnas últimas semanas. Ainda que a principal adição fica por conta da possibilidade de criar a sua própria civilização, mas estes são apenas algumas das novidades almejados pela Stardock. Ela está prevista para lançamento na primavera do hemisfério norte por US$19,99. Preço no Brasil ainda não foi definido.

De maneira geral, Crusader tem como objetivo diversificar o repertório do jogador em como lidar com expansão e dominação de outras espécies ao longo de uma partida. Tal mecânica é vista na inclusão de “Galactic Citizens”, um evento aleatório que faz com que um personagem se junte a sua civilização e você possa definir uma especialização para ele.

Os Galactic Citizens são como o equivalente de um Great Person de Civilization. É possível enviá-los para planetas de forma que eles aumentem a manufatura ou a expansão de um planeta. Citizens com o bônus de Leader aumentam em 3% o boost para a civilização daquele planeta, enquanto um com o bônus Administrator reduz o custo de manutenção do planeta em 25%. A lista completa de tais citizens está disponível no site da Stardock.

Outro ponto de suma importância fica para a exploração, um dos pontos ainda fracos de Galactic Civilization III e que a expansão Crusade também busca melhorar. Agora antes de colonizar um planeta pode-se verificar quais recursos estarão disponíveis para o jogador. A adição, de acordo com a desenvolvedora, induz um pensamento mais tático em relação a priorização de planetas.

Galactic Civilizations III

Também relacionada a exploração e expansão, naves de colonização, construção e pesquisa agora usam pontos administrativos. O recurso finito agora previne uma expansão demasiadamente rápida e para gerar mais pontos administrativos é preciso gerar Galactic Citizens. No entanto, ao optar por esta decisão, o jogador tem de estar ciente de que não será possível treinar um espião, um diplomata ou um engenheiro até que o Citizen seja concluído. Ao que tudo indica, a mudança vai alterar consideravelmente o ritmo das partidas.

Com a colônia estabelecida, o jogador tem uma segunda tarefa, o gerenciamento de alimentos — que também será alterado na expansão. Previamente limitada por planetas, o alimento agora é um recurso global que pode ser dividido, o que diminui em partes o microgerenciamento. Por outro lado, recursos raros, junto com Citizens tem um considerável impacto no late-game e conquista territorial. “Sacrificar” citizens ou usar recursos raros para ampliar a frota na hora do combate torna-se crucial.

Como apontado previamente, Galactic Civilizations III: Crusader não apenas almeja tornar a expansão ou o gerenciamento mais complexo, mas torna-lo interessante. A Stardock, por exemplo, tem como intuito reduzir o “rush” para a construção de colônias no early game e oferecer outras estratégias viáveis. Por usarem pontos administrativos, nem sempre a criação de uma Colony Ship é a melhor solução. Como apontado em um recente diário de desenvolvimento, um Galactic Citizen, ao invés de gastar seus pontos em uma nova Colony Ship, pode ser usado para acelerar a produção de uma Wonder, que garante melhorias significativas para a sua civilização à longo prazo e facilita a produção de outras Colony Ships.

Diários de desenvolvimento sobre Galactic Civilizations III: Crusade são lançados semanalmente no site da Stardock. Portanto, se você tem algum interesse neles, recomendo dar uma olhada (em inglês).

Veja as principais mudanças de Galactic Civilizations III: Crusade

About The Author
-

Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.