Caminhoneiros virtuais – Entrevista com a equipe do ETS2 Rotas Brasil

Com uma estimativa de 5% (Steam Spy, 2017) das vendas no mundo todo, Euro Truck Simulator 2 pode passar despercebido do radar de muita gente. O simulador, as vezes motivo de piada para alguns, é o motivo de paixão para outros.

Paixão é o que move a equipe responsável pelo projeto ETS2 Rotas Brasil, uma ambiciosa modificação paga para o simulador de caminhões desenvolvido pelos checoslováquios da SCS Software. O objetivo? Criar as rotas mais realistas de algumas das principais estradas do país.

Mas, qual é o motivo pela paixão do brasileiro por caminhões? Por que não damos tanta atenção para eles? Quais são as ambições da equipe? Sentamos com Wagner Marciano, diretor de projetos e membro da ETS2 Rotas Brasil para nos contar um pouco mais sobre como tem sido essa longa, e até um pouco tortuosa estrada no um ano de desenvolvimento do mod e como é a comunidade brasileira de simuladores de caminhão.

Qual o seu background em desenvolvimento de jogos e como foram as origens do mod?

(Risos) A resposta para essa pergunta daria para escrevermos um livro. Sou publicitário, conhecimento em programação não tenho, mas sempre quis formar uma equipe para criar um jogo (simulador).

Depois que conheci o Euro Truck Simulator 2 e percebendo essa brecha de podermos criar “mod de mapa realista” para o jogo e notando que não tinha ninguém fazendo, resolvi montar o time, a exatos um ano venho trabalhando no projeto, dedicando o máximo do meu tempo e hoje tenho uma equipe maravilhosa e apaixonada por este projeto, que se dedicam a fazer o melhor cada vez mais, por isso do nosso diferencial.

Em que etapa o projeto ETS 2 Rotas Brasil se encontra no momento? Quantos membros estão na equipe atualmente?

O conceito do nosso projeto é trabalhar em “Rotas” e não em um mapa do Brasil, por assim dizer. Rotas com o máximo de realismo possível dentro de aproximadamente 1.000km. Nosso plano é soltar sempre uma versão “beta” e posteriormente a final. Ou seja, uma versão agora em julho, dia 25 para ser mais preciso, pois é celebrado o dia do Motorista —  devido a nossa nova parceria com o Trucão Comunicação — e a conclusão em novembro. Hoje a equipe é formada por três editores, três modeladores, dois conversores, um técnico de T.I, uma jornalista, eu como publicitário e o Márcio que cuida da gestão do time.

Euro Truck Simulator 2 tem, de forma geral, rotas relativamente retas enquanto mods como o Promods, outros  com mais cidades litorâneas e uma topologia diversificada tendem a adicionar desfiladeiros, etc. Como tem sido o trabalho da equipe, e as dificuldades, para modelar elementos como a subida da Serra das Araras, talvez um dos pontos mais icônicos na travessia Rio-São Paulo?

Como buscamos a realidade em “escala” nosso editor cenógrafo, vai elaborando os estudos e posicionando o mais próximo possível do real, não pretendemos “inventar” nosso Brasil, e sim “simular”. A maior dificuldade vem nas modelagens de empresas reais, pois em nossas Rotas, o jogador não irá encontrar aquelas indústrias químicas do jogo original no meio de pequenas cidades do interior de São Paulo como vemos nos mapas que tem por aí. Teremos empresas reais. Queremos dar ao jogador essa experiência única de dirigir no Brasil.

No trabalho de parcerias, vocês chegaram a entrar em contato com a SCS ou a SCS chegou a entrar em contato com vocês? De acordo com uma nota oficial da desenvolvedora, a empresa em si não está muito feliz com a situação de mods pagos, porém os tolera. Vocês temem que isso venha a afetar o projeto no futuro?

Nós entramos em contato. Tivemos uma resposta, mas nada em relação a este assunto. As informações que tivemos notificamos em nosso Blog. O problema maior são as brigas por direitos de Mods, a maioria dos usuários entende que só por estar na internet, é livre para fazer o que bem entendem. “Copiar” toda a biblioteca de “ models” e “ prefabs”, montar um mapa e vender. Mostramos um trabalho diferenciado e estamos criando nossos “models” e “prefabs”, usaremos menos de 10% do que é original.

“A mídia mostra apenas a parte ruim do negócio. Eu tenho parente caminhoneiro, conheço muitos caminhoneiros que estão crescendo, aumentando suas frotas, e trabalhando cada vez mais para o transporte no Brasil.”

A comunidade brasileira de Euro Truck Simulator, e simuladores de caminhão de maneira geral é um tanto quanto entusiasta, mas apagada perante a grande mídia. Como tem sido a interação de vocês com ela, o que você sente que falta para que outras pessoas percebam que não se trata apenas de um “jogo”, mas de um simulador que pode chegar a tomar horas de nossos dias?

Falta a publicidade direcionada. Realmente as pessoas entendem como mais um jogo. Estamos procurando passar essa informação de que o Euro Truck Simulator 2 não é apenas um jogo, é uma diversão, uma terapia para aqueles que investem em um bom equipamento e curtem a simulação de verdade. Nosso site está sempre sendo atualizado e queremos mostrar isso, aumentando o número de vendas do jogo e reduzindo as taxas de pirataria.

De onde vem a sua, e de maneira geral, a paixão do brasileiro por caminhões? Qual a identidade que você acredita que eles passam para o brasileiro? Eu vejo como uma profissão enraizada na nossa cultura, porém marginalizada e de certa forma, até desrespeitada como um trabalho “simples”, ou “braçal”, ou para gente que “não tem educação”. Você acredita que isso também se reflete na forma que os jogos são retratados no brasil?

Os jogos no geral veem o Brasil como uma selva, não é? Acho isso muito legal, é um diferencial, um clima tropical que não existe em lugar nenhum do planeta. Já se falando em transporte terrestre infelizmente a mídia mostra apenas a parte ruim do negócio.

Eu tenho parente caminhoneiro, conheço também muitos caminhoneiros que estão crescendo, aumentando suas frotas e trabalhando cada vez mais para o transporte no Brasil. No ETS2 Rotas Brasil queremos mostrar isso, dar ao jogador a experiência de dirigir no Brasil, passando por belas paisagens, estradas até mesmo esburacadas sim, mas também temos nossos tapetões. As pessoas só veem o que querem ver.

Um tema complicado a se tratar no Brasil é claramente a pirataria e vejo que vocês incentivam a compra da versão original de Euro Truck Simulator 2. Como é ter um mod pago dentro de um país que,  ainda não vê valor para ferramentas como estas? Como foi a recepção da comunidade?

O jogo Euro Truck Simulator 2 dentro de toda a comunidade jogadora tem uma taxa de 9% pirata. Queremos acabar com isso, para você ter uma ideia eu mesmo já dei cópias originais para muitas pessoas que vieram perguntar se nossas rotas irão rodar apenas no original.

Sempre que o Steam lança uma promoção eu compro umas cópias. Para dar de presente ou fazer sorteios futuros. Temos muitos planos para umas campanhas mais agressivas, não importa o fato de fazermos publicidade de graça para a SCS, o que importa é todos terem acesso ao jogo original e consequentemente desfrutar de nossas Rotas Reais Brasileiras.

Apesar de presente desde 1997, os simuladores de caminhão receberam um grande boom por meados de 2011, portanto a comunidade — por mais vasta que seja — carece ainda de equipes especializadas trabalhando em mods, add-ons ou outros tipos de aprimoramentos. Você acredita que um dia teremos uma plataforma como a de simuladores de voo, onde empresas trabalham separadamente para a construção de rotas pagas?

Esse mercado é muito grande e estamos engatinhando ainda. Nossos projetos futuros são a construção de nosso próprio simulador, quem sabe. Por enquanto queremos usar o máximo que a “engine” do Euro Truck Simulator 2 dispõe para oferecermos ao público brasileiro e até europeus e americanos a experiência em dirigir nas estradas Brasileiras.

Dado o sério investimento de vocês aos prefabs e ao sistema de criação ofertado pela SCS, quais áreas que tem se mostrado como mais difíceis? Quais tipos de melhorias você espera que a empresa adote no futuro para seu kit de desenvolvimento?

Se formos listar isso, meu Deus….  Para você ter uma ideia, a estrutura do jogo American Truck Simulator foi muito bem preparada para os avanços futuros, para nós, que prezamos a qualidade máxima em simulação seria muito melhor estarmos criando esse projeto para o American Truck Simulator. Mas por ter esta estrutura mais avançada ele se torna um jogo muito mais caro e também pelo fato dos Americanos terem adotado ele como simulador e os Brasileiros não tanto.

No site de vocês, vocês indicam três novos caminhões e um ônibus para o Euro Truck Simulator. Quais tem sido as dificuldades de desenvolvê-los em questão não apenas de modelos, mas da própria física dos caminhões em si? Como ocorre a pesquisa de campo e houve algum apoio das empresas em oferecer dados técnicos deles?

Sim temos esses modelos, mas está muito difícil conciliar produção de mod de caminhão e produção do ETS2 Rotas Brasil. O Volvo EDC NL12 já temos modelado, faltando alguns detalhes. Temos também um Atron que também está sendo todo reformulado, já o Marcopolo G7 é de um parceiro muito experiente.

Agora, como sabe cada rota que lançarmos terá uma história, cada história será envolvida um caminhão e nessa rota teremos o Mercedes 1111, que tenho um carinho todo especial. Muito difícil ter acompanhamento dessas empresas, mas eles sabem do projeto.

Nosso Mercedes 1111 fomos buscar na fonte, fizemos uma bela pesquisa de campo para criar o melhor mod de caminhão que existe para esse jogo. Esse é nosso impulsionador, queremos sempre fazer o melhor. Fazer igual e cair na mesmice ou ser mais um para nós não interessa.

Quais tem sido as principais dificuldades, ou surpresas que vocês tiveram em buscar apoio no projeto?

A dificuldade é a de “praxe” hoje em dia. “crise”. Surpresa realmente são as reações das pessoas com o novo. Nossa o que é isso? Como funciona? Você pode ter empresas no jogo? Essas e muitas outras que sempre teremos o maior prazer em explicar quantas vezes forem necessárias. As parcerias veem para somar, para mostrar que não estamos sozinhos e que este é um projeto duradouro. Queremos algo inovador nesse jogo, queremos que você jogue num futuro bem próximo e fale, olhe minha casa, eu moro aqui, fizeram a minha rua. Esse é nosso sonho.

Houve alguma colaboração com desenvolvedores de outros países, vocês chegaram a buscar mão de obra externa para o desenvolvimento? Empresas como a Reiza Studios (Game Stock Car / Automobilista) possui uma equipe dividida entre o Brasil e a Europa, se não, qual o motivo por trás da decisão?

Não, nossa equipe é daqui, com exceção de um novo membro que é de Portugal. Estamos em constantes contatos com pessoas e empresas tanto daqui quanto do exterior, não nos contentamos com o “não” ou um “fica para próxima” estamos sempre batendo na porta novamente, mostrando nossa evolução.

Posso citar as pessoas que ligam para nós, oferecendo ajuda financeira, semana passada me mandaram uma placa de vídeo e até mesmo aquela ajuda psicológica, recebemos muitos e-mails de pessoas felizes com o projeto, contam suas histórias, um pai que era caminhoneiro e já se foi, ou retratarmos algum trecho em especial, enfim… partilhar desse projeto com tanta gente está sendo muito especial. Um dia chegamos ao nível dessas produtoras citadas.

Você e outros membros da equipe possuem outros trabalhos ou se focam exclusivamente no mod? Caso sim, como tem sido equilibrar a vida pessoal, emprego e o mod?

Isso realmente está difícil. Apenas dois membros estão tempo integral, os outros estudam ou trabalham. Procuramos dedicar-nos ao projeto de segunda a segunda, sempre equilibrando os horários e vida pessoal.

Eu particularmente acabo me sacrificando um pouco mais pois tenho que acompanhar tudo, cada um está num estado praticamente e está sendo uma grande aula como gestor de equipe. Graças a Deus somos um time maravilhoso, todos se entendem, se ajudam e estamos sempre conectados, acredite, 24 horas.

“Recebemos muitos e-mails de pessoas felizes com o projeto, contam suas histórias, um pai que era caminhoneiro e já se foi, ou retratarmos algum trecho em especial.”

Como você acredita que o cenário de simuladores de caminhão vai estar daqui dos últimos anos? O que você achou da implementação pela SCS do World of Trucks? Pessoalmente vejo como uma ferramenta que engatinha, mas ainda não possui um propósito além de unificar a comunidade.

Achei a ideia do World of Trucks demais, mas ela deveria ter uma interação melhor entre os jogadores, por isso acredito que não sai do lugar, pois ninguém usa praticamente.

Acredito que tem muita coisa para acontecer ainda, mas acredito mais ainda que virão outros simuladores de caminhão bem mais inovadores, pois infelizmente a “engine” do Euro Truck Simulator 2 está enraizada e não acredito que mudarão tão cedo, pois tem muito processo envolvido. Posso estar enganado e espero que sim (risos)

Você acompanha o trabalho de empresas como a Astragon e a Aerosoft, que também começaram a tentar pegar fatias do mercado com seus simuladores (Fernbus Sim e On The Road)? Qual aproximação que você considera a melhor para enriquecer a comunidade de mods? O que falta nessas empresas para gerar um melhor diálogo entre os criadores de mods e como eles podem agregar valor ao seu produto?

Sim acompanho essas e várias empresas de simuladores. Agora os “modders” é que fazem a diferença nos jogos, tem muita gente boa e criativa por aí. Só acho que deveria ser algo mais legalizado, ou que existisse um local para que os verdadeiros “modders” pudessem se cadastrar e serem reconhecidos pelo trabalho, como freelancer ou empresa. Do jeito que está é uma bagunça generalizada.

Você sempre optou por simuladores de PC? Chega a ter alguma afinidade com consoles ou não muita? Quais as barreiras — fora o preço um tanto quanto abusivo — que você sente que existem na adoção de um mercado maior de PC no país, mesmo que os consoles ainda tenham um fator mais “nostálgico” na mente dos jogadores?

Eu fui jogador de fliperama, já deixei fortunas nas mãos daqueles “tiozinhos”(risos). Jogava muito e de tudo na minha adolescência, gosto de jogar, mas não me apego, aquele “vício”. Hoje jogo apenas o Euro Truck Simulator 2 ou American Truck Simulator e quando sobra um tempinho ainda.

Se você for ver, tudo fica fora do orçamento, afinal quem joga quer o melhor para jogar, ou seja, montar um “belo” PC Gamer gastaria por volta de 10.000, para mais ou para menos, mas existem muitas opções obviamente, já consoles ficam na faixa de 2.000 a 3.000. Mas acredito que para a maioria o importante é jogar e é aí que os menos favorecidos vão para a pirataria, pois não tem opção.

Muitíssimo obrigado pelo seu tempo, desejo tudo de bom para o ETS 2 Rotas Brasil!

Valeu, eu que agradeço. Disponha e fica ligado com a gente 🙂

Se você quiser conhecer mais sobre o projeto, acesse o site oficial, o Facebook e o canal deles no Youtube.

Caminhoneiros virtuais – Entrevista com a equipe do ETS2 Rotas Brasil

About The Author
-

Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.