Bloodhunt

Em nota, a Sharkmob, atual desenvolvedora do Battle Royale “Vampire: The Masquerade – Bloodhunt” (Steam) anunciou na última semana que irá alterar os planos de desenvolvimento do game para reduzir o tempo entre atualizações. O passo inicial será nesta quinta-feira com a inclusão de um modo Team Deathmatch.

O que a empresa intitula de “atualização de verão” será composta do modo, uma nova área no hub central, duas novas armas (uma faca e um pé de cabra) e a promessa de dezenas de correções que vão de bugs com recarregamento das armas a melhor precisão no controle do PlayStation 5.

A empresa aponta a dissolução do modelo tradicional de “temporadas” como é visto em battle royales para atualizações menores como uma mudança necessária para uma equipe pequena. A mesma também aponta que “Bloodhunt” em si pode ser “difícil” de ser jogado em modo solo ou duos para quem já não tem a devida experiência no jogo – por isso a inclusão do modo Team Deathmatch.

Já a minha experiência com um jogo diverge um tanto da narrativa proposta pela Sharkmob. “Bloodhunt” em si não é mais ou menos complexo do que qualquer outro battle Royale no mercado. Há uma curva de aprendizado, mas nada tão estarrecedor quanto mudar de um “Fortnite” para um “Apex Legends”.

O maior problema de “Bloodhunt” no momento é a dificuldade em reter jogadores. O desempenho tanto no PC quanto nos consoles é precário, a conexão varia entre fantástica e terrível, e seja lá por quais motivos, o jogo parece ter sido lançado “às pressas”.

Ao menos é um passo na direção correta; eu não sou lá muito fã de battle royales hoje em dia. Eles tomam muito do meu tempo e passo mais frustração do que diversão. Certamente volto para Bloodhunt ao menos para umas partidas de Team Deathmatch.

Mais informações sobre as mudanças estão disponíveis no site oficial

“Bloodhunt” terá modo Team Deathmatch a partir de 14 de julho

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.