Anamorphine

Ler que um jogo vai tratar de experiências traumáticas e ansiedade já me dá até um nó no estomago. Só a ideia já me diz “vai dar errado”. Espero que o meu instinto esteja errado quando se trata de Anamorphine, game da Artifact 5 previsto para lançamento em 16 de janeiro no PC, PlayStation 4 e PSVR.

A história contada é a de Tyler, um homem que ao longo da jornada, revisita uma série de fases que passou na vida com sua então esposa Elena, que sofre de depressão e falece em um acidente. Tyler, então, se sente culpado por não ter a ajudado enquanto havia tempo.

Como demonstrado no vídeo mais recente, toda a jogabilidade de Anamorphine é feita com detalhes visuais e sonoros, sem prompts de botão ou cortes. Como a temática em si, assistir ele para quem sofre de ansiedade ou depressão — o meu caso — é um tanto quanto pesado. Navegação por ambientes surrealistas, mas com significados profundos; a ideia de que é preciso de buscar uma válvula de escape para os problemas.

Anamorphine, ao menos visualmente, toma um ar um pouco experimental. Não tanto quanto outros jogos que tratam de temas parecidos, como Everything is going to be OK da AlienMelon mas, de qualquer forma, é bom ver outros desenvolvedores tomarem um passo adiante e falar sobre saúde mental em seus games.

Que eu tenha coragem e estabilidade mental para jogá-lo.

Anamorphine busca explorar ansiedade e o sentimento de culpa

About The Author
-

Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.