Roguelikes são um gênero muito esquecido. Não falo desses jogos que enfiam um “rogue-like” na capa só porque você perde o personagem quando morre. Falo dos clássicos, com loot, táticas e muito level Up. Jogar o Alpha de Dungeonmans já garantiu um espaço na minha biblioteca de jogos de cara.

Ao contrário de outros Roguelikes, Dungeomans coloca você “encarregado” de uma academia de aventureiros e exploradores. Ou seja, você deverá melhorá-la, retornar com itens valiosos e por aí vai.

Esse de cara é o grande trunfo do jogo, já que consegue prover uma sensação de progressão para o jogador. Onde muitos acabam por desistir ao perder um personagem de uma maneira idiota, Dungeomans lhe dá aquele gosto de “ao menos melhorei a minha base”.

Se pudesse traçar um paralelo com um “rogue-lite” famoso de 2013, seria Rogue Legacy, só que 100 vezes mais difícil. Claro que, melhorar sua academia 100% não significará que será possível “zerar” o jogo com tanta facilidade.

Além da sua academia de exploradores, existem cidades com vendedores, dungeons que envolvem cavernas, templos e castelos. É um pequeno mundo aberto que dá um gosto de “quero mais” e mostra muito bem o que o game tem a oferecer.

Dungeonmans

A academia, que pode ser melhorada de acordo com itens encontrados pelo mundo.

Dungeonmans consta com um robusto sistema de classes. Além das pré-configuradas, como fighter, arqueiro, mago, você pode optar por ter todos os pontos de habilidade livres para você fazer o que quiser com eles. Creio que no futuro seja possível criar classes híbridas fazer algumas tentativas bem bizarras como magos que usam espadas de duas mãos e por aí vai.

Tudo que se espera em um roguelike está lá. Você tem uma variedade gigante de loot já, um sistema de XP que garante habilidades para seu herói, inimigos traiçoeiros e scrolls ainda mais traiçoeiras.

Não se esqueça de votar para que Dungeonmans chegue ao Steam!

Eu aprendi sobre as scrolls da pior maneira possível. Lá estava eu enquanto explorava uma caverna, encontrei uma scroll não identificada.

Como queria sair e voltar para a academia, achei melhor testá-la e torcer para que fosse uma scroll de fuga. Infelizmente, não era, mas sim uma que fez meu personagem pegar fogo até morrer. Fica então a dica, não testem uma scroll em locais perigosos.

Dungeonmans

Dungeonmans não é um jogo avançado graficamente, na verdade, muito pelo contrário, ele mal tem animação. Os personagens soltam alguns golpes, assim como os oponentes, mas nada muito elaborado. Graças a isso a ação é bem rápida e um andar inteiro pode ser limpo em questão de minutos.

Dos últimos dias para cá, eu tenho usado o Dungeonmans para uma jogatina entre a produção de uma notícia e outra. Antes de deitar, ou até para quando não quero jogar nada mais elaborado. A rapidez e fluidez que ele já se encontra torna re-jogar algo quase que instantâneo.

Devo dar os méritos para o desenvolvedor por alguns efeitos especiais que não são vistos comumente, como o que aparece quando você sobe de nível, assim como algumas magias. São pequenos toques como esse que fazem Dungeonmans se diferenciar de outros roguelikes.

Dungeonmans

Acostume-se, situações como essa são normais.

Por se tratar de um alpha, caso queira comprar tens de ter em mente que haverá bugs, instabilidades e você pode perder o seu savegame. Algumas partes, como cidades, ainda não estão implementadas, enquanto outras artes são completamente placeholder.

O desenvolvedor já está a par de diversos problemas e tenta os corrigir o quanto antes. Até a finalização desse texto, uma nova versão já havia sido disponibilizada para quem já comprou por acesso ao alpha.

Dungeonmans se encontra disponível para compra diretamente de seu site oficial. A versão base custa US$ 10, enquanto o acesso ao Alpha sai por US$ 40. Até então o que eu joguei já teria justificado o investimento de US$ 40, é tão divertido assim.

Preview – Dungeonmans

| Artigos, Previews |
About The Author
- Colaborador para a EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.