Blood Bowl 2: Legendary Edition

Faltando três semanas para seu lançamento em 5 de setembro no PC, Xbox One e PlayStation 4, a Focus Home Interactive e a Cyanide Studio tiraram esta semana para apresentar o conteúdo final que estará presente em Blood Bowl 2: Legendary Edition. O game de futebol americano ambientado no universo Warhammer está em pré-venda por R$119,90 ou como uma expansão por R$59,99 para quem tem o jogo base.

Enquanto que o novo trailer faz um trabalho competente em apresentar as oito novas equipes, que inclui os Goblins, os Halflings, as Amazons, Vampire, Ogres, Underworld Denizens, Elven Union e o Kislev Circus, o interessante mesmo está para quem prefere o modo de um jogador.

Mesmo depois de muitas atualizações, Blood Bowl 2 sempre foi fraco neste aspecto, ainda mais pelo fato que não era possível salvar no meio de uma partida. Além da nova possibilidade a Cyanide introduz dois novos modos, a Eternal League e o Challenge Mode.

A Eternal League é um modo de campanha mais robusto, um modo “interminável” onde o jogador pode criar uma equipe e competir em torneios. A principal diferença dos torneios pré-organizados do jogo original está na separação das temporadas por estações — outono, inverno, primavera e verão — com três competições em cada e formatos exclusivos.

De acordo com a desenvolvedora, algumas dessas partidas possuem requisitos, como melhorias feitas ao time ou jogadores com um grau de habilidade específico. Um grande avanço em relação ao quão “cru” era o jogo original.

Já o modo desafio é o que o nome implica. Com um limite de um turno, o jogo dá ao jogador um conjunto de dados para completar objetivos específicos. O intuito do modo, de acordo com a Cyanide, é treinar os jogadores em mecânicas avançadas ou situações de desvantagem. Não é um modo tutorial mais robusto como eu gostaria, mas a essa altura eu aceito tudo.

Veja o trailer de Blood Bowl 2: Legendary Edition abaixo:

Trailer apresenta conteúdo de Blood Bowl 2: Legendary Edition

About The Author
-

Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.