Análise – Cities: Skylines – Mass Transit

Como uma expansão com um foco tão certeiro, consegue ser tão desfocada? Mass Transit, a quarta grande expansão para Cities: Skylines mostra um lado preocupante do jogo, a dificuldade de implementar variedade de forma interessante. Ela está disponível no Steam por R$34,49.

Mass Transit se volta de forma quase exclusiva para o desenvolvimento e monitoramento de novas formas de transporte pela cidade. Dentre as novidades estão trilhos elevados, dirigíveis, um hub capaz de interconectar todos os principais transportes — como ônibus, trens e bondes. Junto a isto está um robusto sistema de monitoramento, análise e ajustes de linhas de tráfego, sinais e priorização de sinais.

Por mais louvável que seja o esforço da Colossal Order em trazer mais variedade, Mass Transit se choca com vários problemas, sendo dois mais relevantes: Variedade para fins de variedade e uma ferramenta de monitoramento do transito baseada em um mod que já havia sido feito pela comunidade meses, se não mais de um ano atrás.

Claro que uma solução oficial para monitorar o transito vindo da Colossal Order significa menos dores de cabeça com atualizações futuras, mas ainda assim, ela deixa a desejar na usabilidade. Selecionar que tipos de carros trafegam por quais ruas significa mais cliques do que o que o necessário. Ruas movimentadas tornavam-se um inferno de tantas linhas que iam e vinham. Clareza? Sabe lá o que é isso. Às vezes era preferível voltar para a ferramenta feita pela comunidade do que lidar com a nova da Colossal Order.

Algumas adições feitas na atualização gratuita para Cities Skylines, no entanto, são muito bem-vindas, como a opção de priorizar quais sinais devem ser fechados ou abertos primeiro e quais ruas não devem ter sinais, assim como uma ferramenta para facilitar a construção de ruas em ângulos mais precisos. Tais adições ajudam, e muito, a desafogar o tráfego de áreas mais congestionadas e ao mesmo tempo esbarra ainda mais no problema de variedade.

Bondinhos, hub de interconexão e transporte são ótimas ideias para quem quer emperiquitar a sua cidade com mais transportes e torna-las mais “a sua cara”; disto não há dúvida. O que Cities: Skylines carece, e já havia mencionado isto no meu texto de Natural Disasters, são eventos que façam com que essas ferramentas se tornem não apenas um auxílio, mas se conectem melhor com o jogo de maneira geral.

Mass Transit se distancia ainda mais de Natural Disasters por muitas das novas opções de transportes parecerem supérfluas ao contrário das edificações usadas como respostas imediatas aos possíveis desastres naturais. Claro, bondinhos serão úteis para quem tem mapas montanhosos, assim como dirigíveis. Por outro lado, uma malha rodoviária robusta raramente vai se beneficiar de novas adições como os trens suspensos e o terminal de interconexão, muito pelo contrário. O jogador tem um trabalho extra de refazer a malha rodoviária para que esses serviços sejam implementados na sua cidade e depois estabelecer incentivos para que a população comece a usá-los. Em partes, bem parecido do que existe na realidade.

Mass Transit

Sabe aquela história do “em time que está ganhando não se mexe?”, é assim que muitas das soluções propostas por Mass Transit se apresentam. Qual é o incentivo para refazer uma malha rodoviária com trens suspensos se o metrô, ônibus e incentivos para o uso de transportes públicos já fazem o trabalho? O jogador que desejar pode receber renda, mas aí bate de frente com um terceiro problema que já havia sido comentado desde a expansão Snowfall, a facilidade de se ter uma cidade estável.

Por mais congestionado que ficasse o transito, os moradores da cidade raramente viam isso como um motivo para deixa-la. As principais dificuldades relegadas para os transito era a dificuldade de serviços públicos — como caminhões de lixo, policiais e ambulâncias — chegarem a um determinado local. A nova inteligência artificial, inclusa na atualização gratuita resolve isto ao fazer com que esses serviços priorizem certas faixas. O que de maneira geral é ótimo para a comunidade, mas não desenvolve outros desafios.

Com uma renda estável, não há motivos para mexer nas ruas, para alterar sinais, para nada. O jogador vê a sua cidade crescer e não é instigado a buscar novos meios de transporte. A esperança ficava para os cenários, que já existem aos montes no Steam Workshop. Mass Transit é lançado com uma anêmica seleção de dois mapas, que mais parecem tutoriais para solucionar possíveis problemas de tráfego. Qualquer jogador experiente em Cities Skylines será capaz de resolvê-los em uma ou duas horas.

Ferramentas, opções adicionais, devem ser incluídas para resolver problemas que estão presentes e não as criar para que sejam usadas de forma extremamente situacional, e é justamente isto que ocorre com Mass Transit. Ao acessar cidades que já havia dado cabo dos principais problemas de trânsito, não me sentia motivado a ter de refazer muita coisa só para ter um terminal de trens suspensos. Também não me importava com a possibilidade de novas riquezas ao taxar os dirigíveis e possivelmente atrair novos turistas. Minha renda era estável, para que mudar?

O mesmo aconteceu quando eu criei uma nova cidade. Já sabia mais ou menos o layout que ela ia tomar e só fui colocar um bondinho por conta de uma parte com morro. Por um acaso, foi a linha de transporte que deu mais problema já que parecia que metade da minha população optou por usá-la por alguma razão desconhecida. Ora, para ter mais dor de cabeça? Prefiro me manter no que já é conhecido.

O entusiasmo só aparecia quando uma cidade com dinheiro infinito e a chance de fazer o que der e vier na cabeça era construída. Com essa opção Mass Transit tinha um propósito. Colocar as linhas que quisesse, trocar de lugar, mudar isso ou aquilo. Mas, afinal, é um gerenciador de cidades ou um construtor de cidade bonita? Qual o caminho que a Colossal Order quer seguir?

Mass Transit se foca tanto em dar variedade que esquece que para o jogador usá-la, é preciso de propósito, e isto não está presente na expansão. Jogue o péssimo apoio dado pela Colossal Order no uso de cenários mais desafiadores e temos o que pode ser considerada a expansão mais fraca de Cities: Skylines.

Cities: Skylines - Mass Transit

Total
Voltado para quem quer embelezar a sua cidade, Mass Transit é uma pequena decepção em prover mais desafios. Não motiva a estabelecer novas rotas de tráfego e sua ferramenta de análise ainda está aquém daquela criada pela comunidade. Se o propósito e ter a cidade mais bela que já criou, vá em frente. Se não, é melhor deixar passar.
Podia ser melhor

Análise – Cities: Skylines – Mass Transit

About The Author
- Colaborador para a EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.
  • Rudson nunes

    Mas, afinal, é um gerenciador de cidades ou um construtor de cidade bonita? Um construtor de cidade isso ta claro para a produtora desde do começo, todo gerenciador de cidade precisa de prefeitura ou algum sistema de administração dentro do jogo. O gerenciamento existe apenas nas ferramentas que são disponibilizada para a construção da cidade, não tem gerenciamento de educação, saúde, segurança, vc só tem algumas informações, não da pra aumentar o numero de ambulância, viaturas, ônibus escolares. Acredito que no futuro vão sim trazer o sistema de prefeitura e gerenciamento por alguma DLC.

    • Lucas Moura

      Em partes concordo Rudson, mas a minha expectativa é que depois de tantas expansões, eles adicionassem um pouco mais desses sistemas, mesmo que em partes. Ainda mais dado o pedigree da Paradox e da Colossal Order (Cities in Motion) de boas ferramentas administrativas. A superficialidade ainda me incomoda um pouco. Realmente espero por um DLC ou um possível Cities 2 com essas ferramentas.

  • Ricardo Silva

    Não terá mais DLC , essa foi a última.